primeiro ato: ALEATORIEDADES

cropped-dsc_0809.jpg

Anoitecemos. Você ainda tentou estabilizar o tripé manco e focar algum sorriso.  Não havia mais luz. Nem lua. Nada. Apagamos. Bocas vazias inundaram a praia pela manhã, feito ostras abertas. Há tanta areia entre nossos corpos.  Você machucou o pé num pedaço de osso que roí e joguei debaixo da sua cama. Eu sempre quis te ver sangrar. Escorrer vermelho entre dedos e dentes. Você me desmontou. Era tarde demais quando o último parafuso não encaixava. Eu queria dormir. Você queria terminar.  Habitávamos cidades opostas.  Ontem a noite voltei para casa só porque seus sapatos estavam nos meus pés. Você sempre soube voltar para casa. Eu sempre me perdia. Por que você lembrou de mim no dia do seu casamento?

Um comentário em “primeiro ato: ALEATORIEDADES

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑